Descobrindo Charlotte Mason
Descobrindo Charlotte Mason
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários

A mãe que educa seus próprios filhos

A mãe que educa seus próprios filhos
Mariana Mastracchio
mai. 3 - 20 min de leitura
020


Nota do editor  por Art Middlekauff:

Em 18 de junho de 1926, Henrietta Franklin deu as boas-vindas aos pais e professores à 28ª Conferência Anual da PNEU em Caxton Hall, Westminster. Ela "imergiu" seu público "diretamente na essência e na medula" do empreendimento da PNEU com um discurso intitulado "A contribuição da Srta. Mason para o pensamento educacional". Ela insistiu que, embora as novas ideias de Mason tivessem "mudado a antiga atitude dominadora dos pais em relação aos filhos", os pais modernos ainda precisavam de orientação. Por isso, ela pediu aos pais que "estudassem os livros de Charlotte Mason, que (...) dariam o apoio e o esclarecimento que os pais e mães hesitantes desejavam". (The Parents’ Review, vol. 37, p. 437.)


Mas Mason nunca encerrou a discussão no nível das ideias. Ela sempre arregaçava as mangas e se tornava prática. No espírito da natureza aplicada da filosofia de Mason, outra palestrante subiu ao pódio logo após a Sra. Franklin. Essa segunda palestrante não era filósofa, professora ou sábia. Ela era apenas uma mãe comum, assim como você e eu. E ela tinha outra coisa em comum conosco. Ela teve a audácia de educar seus filhos em casa.




A mãe que educa seus próprios filhos

Por Mary L. Kinnear

The Parents’ Review, 1926, pp. 438-444



Uma vez que seu Comitê me deu a honra de me pedir para ler hoje um artigo sobre a sala de aula em casa do ponto de vista da mãe que educa seus próprios filhos, naturalmente pensei muito sobre o que deveria dizer; não porque parecia haver tão pouco a dizer, mas porque há tanto que gostaria de dizer, que não pode ser contido em um artigo de dez minutos de duração.


Portanto, achei melhor selecionar alguns pontos que possam interessar aos outros e proponho contar a vocês:


(1) Por que fui tão ousada a ponto de tentar educar meus próprios filhos.


(2) Como eu tenho tido sucesso, na medida em que se pode estimar as próprias conquistas.


(3) Algumas sugestões para a vossa consideração.


Devo culpar, ou melhor, agradecer à House of Education* em Ambleside por me forçar a tentar ensinar meus filhos. Quando nosso filho mais velho tinha seis anos, tínhamos três filhos mais novos — um menino de quatro, outro menino de dois e uma menina de um ano, e devo dizer que de lá para cá tivemos um quinto tesouro. Com crianças tão pequenas no berçário, uma babá era absolutamente necessária. Tínhamos até então uma cuidadora também; mas, agora que o filho mais velho precisava de aulas, não podíamos manter três pessoas para me ajudar com as crianças. Então, decidi ter uma governanta de Ambleside para os dois meninos mais velhos, de seis e quatro anos, e minha babá estava disposta a cuidar sozinha dos dois bebês.


Mas eu não sabia até então que nenhuma governanta de Ambleside tem permissão para assumir um cargo em que ela deve cuidar da higiene e das roupas de seus alunos, e, quando soube disso, foi um grande golpe para mim. O que eu poderia fazer? Moramos no campo, onde não há escola para a qual pudéssemos enviar o menino, e ele estava precisando muito de aulas. Fiz a próxima melhor coisa que pude pensar: encontrei uma senhora muito competente como governanta do berçário, que se encarregou inteiramente dos dois meninos e de suas roupas, e assim por diante, e ela ensinou o menino mais velho a ler, escrever e aritmética simples, e ela fez isso bem. Mas ela não tentou fazer mais do que isso. Agora, desde o nascimento, o menino estava cercado por uma atmosfera P.N.E.U*  — não sei como descrever de outra forma. Eu li Educação no Lar da senhorita Mason quando ele tinha duas semanas de vida, e o reli, e li muitos outros livros sugeridos por ela, e nas listas de livros da Parent’s Review.* Depois dos livros da senhorita Mason, os livros que achei mais úteis nos primeiros anos foram Fale com mães e cuidadoras, da Dra. Helen Webb, e os livros da Sra. Read Mumford e da Sra. Dyke Acland sobre educação infantil. Desde o momento em que ele passou a entender as coisas, tentei seguir as sábias sugestões da senhorita Mason, e nisso fui habilmente auxiliada por minha cuidadora, de modo que a mente do menino estava desperta; já estava cheia de interesse pelas coisas ao seu redor. Ele conhecia cada pássaro, flor silvestre e árvore que cresce perto de nós; aos quatro anos, ele conhecia as árvores até mesmo no inverno, sem as folhas. Portanto, não era provável que ele ficasse satisfeito em aprender suas letras, escrever suas cópias e dizer suas tabuadas de multiplicação, como costumavam fazer os bons meninos de sua idade. Ele queria mais do que esses exercícios mentais; ele queria o que a senhorita Pennethorne descreve como Alimento para a Mente, e eu vi que ele não obteria isto a menos que eu começasse a trabalhar e o ajudasse pessoalmente. Assim, ele tinha uma hora todas as manhãs com a governanta e uma hora comigo. Eu lhe ensinava História Inglesa, Geografia, Contos, Estudo da Natureza, Estudo de Obras de Arte, Francês, Solfejo e, claro, a lição diária da Bíblia, em tudo tentando seguir o melhor que pude o programa da Parents’ Union School.* Logo alguns de nossos vizinhos, que tinham um menino de sete anos e meio e bebês no berçário, me perguntaram se o filho deles poderia se juntar ao nosso para as aulas. A chegada de um pequeno companheiro provou ser a maior bênção. Os dois meninos, que já brincavam juntos antes, agora estavam trabalhando juntos, e embora não o tivéssemos iniciado suficientemente cedo para que ele pudesse obter todos os benefícios do treinamento da Parents’ Union School, pois ele já era um pouco velho quando veio para nós e logo foi para a escola, ainda assim espero e acredito que também tenha ajudado o pequeno vizinho. Os meninos pareciam gostar muito de suas aulas; era sempre difícil parar na hora certa, e eles ficavam realmente decepcionados quando guardávamos os livros do dia.


Uma grande dificuldade era a narração. No princípio, meu filho nunca conseguia começar a narrar a lição; mas, se eu apenas o orientasse no início, ele conseguia continuar muito bem e geralmente reproduzir tudo praticamente na linguagem do livro. Quando o amiguinho se juntou a nós, ele teve a mesma dificuldade, e eu descobri que uma boa maneira de ajudá-los era sentar com lápis e papel e anotar. Desde então, eu constatei algo diversas vezes — e não sei dizer por que isso acontece: uma criança que permanecia muda enquanto eu esperava com expectativa por sua narração,  e que, quando eu pegava lápis e papel, a contava tão rapidamente que eu só conseguia transcrevê-la usando muitas abreviações drásticas.


A maioria dos meus amigos estava muito cética em relação a essa narração após apenas uma leitura, e eles me diziam: “Ah, sim, claro, uma coisa é narrar imediatamente depois de ouvir a história, mas você vai descobrir que em uma semana ou mais eles terão esquecido completamente.” Apesar dos meus amigos céticos como Jonas, eu persisti no meu próprio caminho — ou melhor, é claro que quero dizer no caminho da Srta. Mason — e, quando chegou a época de exames no final do trimestre, ao invés de ter esquecido alguma coisa, tudo parecia tão fresco na memória do menino como se ele tivesse aprendido no dia anterior. Devo confessar que nos meus momentos mais otimistas, eu não esperava que as lições ouvidas apenas uma vez— pois o menino ainda não sabia ler — três meses antes, seriam retidas tão completamente, até mesmo as palavras exatas usadas no livro. Isso foi o caso especialmente nas lições da Bíblia, contos, história e aulas de francês.


Desde a minha experiência com esses dois meninos, ensinei várias outras crianças — minhas e de outras pessoas — da mesma maneira e quase sempre com o mesmo resultado. As exceções são as crianças que, até os oito, nove ou dez anos, foram se virando de alguma forma, com mais ou menos boa educação desse tipo, mas que não receberam o inestimável presente da concentração, natural em toda criança, treinada e desenvolvida, e que pareciam por um tempo achar muita dificuldade em absorver uma lição com uma única leitura. Com essas crianças, não encontrei a mesma fluência quando chegaram os primeiros exames; mas, depois de um ou dois trimestres, elas respondem melhor ao método e com o tempo elas também  o acham um tanto fácil.


Outra dificuldade que tive foi que, por mais cuidadosamente que eu tentasse fazer todos os arranjos possíveis, tanto para a casa quanto para as outras coisas, era quase impossível ter certeza de não ser interrompida durante minhas aulas com as crianças. Se não fosse sobre algum assunto doméstico, era sobre o  Instituto de Mulheres*, do qual eu era secretária na época. Depois de um ano ou mais, a governanta do berçário foi embora e eu decidi dar todas as aulas sozinha, e encontrei uma jovem, uma moça de cerca de vinte e um anos, que havia sido V.A.D* durante a guerra, e que tomava conta dos meninos fora das aulas. Durante o horário das aulas, das 9h30 às 12h, ela organizava as compras, mantinha meus armários arrumados, pagava as contas e recebia visitantes — na verdade, ela ficava entre eu e o mundo, e esse plano provou ser muito satisfatório.


Em conexão com esse hábito de narrar, gostaria de contar algo que me disseram recentemente e que me encorajou muito. Um dos dois meninos de quem falei, agora em internato, trabalha com um tutor quase todas as férias — por vontade própria, que fique entendido; raramente se encontra uma criança da P.U.S* que vê as aulas como outra coisa que não seja um prazer. Este tutor, formado em Oxford, me mostrou uma redação deste menino, escrita enquanto o tutor ensinava matemática a um menino mais novo. Ele disse para o menino escolher o próprio assunto, e o menino, quase com doze anos, escreveu uma redação sobre “Um passeio pelo rio”, que surpreendeu meu amigo. Ele disse que era bastante incomum encontrar um menino, mesmo com dois ou três anos a mais, que não apenas pudesse se expressar tão bem e em um inglês tão bom, mas também tivesse tal riqueza de informações  interessantes para expressar. Expliquei como os meninos eram capazes de se expressar com tanta facilidade e em um inglês tão bom; é porque, desde o início, eles estiveram intimamente familiarizados apenas com os melhores livros, especialmente a Bíblia e o Peregrino, e é claro que aproveitei a ocasião para tentar ganhar um adepto da P.N.E.U. Este tutor leciona, durante o período letivo, em uma conhecida escola preparatória, sendo responsável pelo ensino de inglês e pela biblioteca da escola. Ele me disse que tinha muita dificuldade em fazer os meninos lerem qualquer coisa que valesse a pena; se liam, pareciam preferir o que ele considerava lixo, e ele estava interessado em ouvir que tipo de livro as crianças da P.N.E.U. liam por  prazer e em seu tempo livre. Por exemplo, nas férias, você entra em uma sala e encontra dois alunos, cada um profundamente absorto em um livro; você espera encontrar, talvez, um livro de histórias para meninos ou um anuário de críquete —- bem, eles também gostam muito de críquete, mas os livros que os estão interessando profundamente são: (a) um menino de dez anos está lendo a História da França, da Sra. Creighton; (b) um menino de doze anos, Jock of the Bush Veldt. Lixo não atrai a criança da P.N.E.U. 


Eu contei a você como tentei começar este trabalho e dar uma ideia de até que ponto acho que consegui realizá-lo. Gostaria agora, se me permitem, com toda a humildade, de fazer algumas sugestões.


Em primeiro lugar, para todas as mães que possam estar presentes, e para os pais também, se tiverem a oportunidade de supervisionar a educação de seus filhos, por favor, certifiquem-se desde o início de que a mente aberta de seu filho, que está recebendo impressões na primeira infância em um nível muito maior do que poderá fazer em qualquer outro momento posterior, certifique-se de colocar ao alcance dele todas as coisas possíveis que sejam amáveis ​​e de boa fama. Somos muito ansiosos para que a comida, as roupas e o bem-estar físico geral estejam bem cuidados, mas, por mais importantes que sejam, é de pouca utilidade ter um corpo bonito a menos que a mente e a alma que o ocupam também sejam bonitas, e nós às vezes somos inclinados a deixar essas coisas ao acaso de uma maneira que não sonharíamos em fazer no caso do bem-estar puramente físico. Cuidemos para que em nossos berçários, que são, afinal de contas, as primeiras salas de aula de nossas crianças, não haja brinquedos e imagens grotescas, como se vê em todos os lugares hoje em dia. Na semana passada, eu tentei comprar em uma livraria lindamente decorada um cartão postal ilustrado para enviar a uma criança doente. A assistente me direcionou a um expositor cheio, segundo ela, de cartões-postais infantis; eram todos, na minha opinião, tão terrivelmente feios, e muitos deles tão repugnantemente vulgares, que me senti obrigada a dizer a assistente o que pensava deles. Ela ficou um pouco surpresa e me garantiu que eram a última moda e que todo mundo estava comprando para as crianças. É muito triste se isso for verdade.


Novamente, existem muitos livros e histórias realmente encantadoras e bonitas para crianças pequenas. Por que o gosto  delas deve ser estragado desde o início por alguns dos livros ilustrados e papéis espalhafatosos que as pessoas compram para seus filhos, nos quais as crianças ou, com mais frequência, os animais vestidos como crianças, fazem muitas travessuras diabólicas, que podem ser bastante divertidas se não forem desmoralizantes, mas que são alimentos mentais muito pobres para a mente ávida e curiosa de uma criança de quatro ou cinco anos?


Procuremos, desde o início, ter em torno de nossos filhos pessoas, sejam cuidadoras ou em qualquer função, que amem a natureza, que apoiem os esforços da mãe, por exemplo, quando saem para passear e caçar flores, observar os pássaros ou nuvens, e assim por diante, e quando chega o momento em que a criança obviamente precisa de lições específicas, que pode ocorrer a qualquer momento entre cinco e sete anos de idade, vamos garantir para que a criança receba o melhor ensino que possamos obter. Quanto mais jovem a criança, mais sábia e experiente deve ser a pessoa que a ensina. Ouve-se dizer com frequência: “Ah, claro que a senhorita fulana pode dar a ele as primeiras lições e, é claro, mais tarde, devemos contratar uma governanta realmente boa para prepará-lo para a escola”. Eu acredito que isso é realmente o caminho errado. As primeiras lições é que são mais importantes que quaisquer outras que possam seguir. A maioria das crianças está tremendamente ansiosa para começar as aulas, e muitas vezes elas perdem o frescor inicial e ficam bastante entediadas, e depois de um tempo simplesmente as suportam porque devem ser feitas. Não se encontra isso com uma criança ensinada desde o início com os métodos da P.N.E.U.  O entusiasmo cresce à medida que o horizonte da criança é ampliado e seus poderes são desenvolvidos. Portanto, mães, se não podemos pagar o alto salário exigido, e com razão, pela governanta altamente culta e treinada, então consideremos se não podemos ensinar nós mesmas. A P.N.E.U. conduz um curso de leitura muito útil para as mães, e se uma mulher pode administrar uma casa nestes tempos difíceis, jogar tênis, golfe e brídege como são jogados hoje em dia, ou dirigir um automóvel e administrar um negócio, então não esta além de suas capacidades ensinar seu filho, se ela colocar todas as suas habilidades em sua preparação para isso. Em todo caso, se não pudermos fazer tudo, vamos nós mesmas dar a lição diária da Bíblia; certamente não pode haver programa melhor, ou um que dará à criança uma base melhor para sua vida religiosa e crença mais tarde, do que o dado na P.U.S.


Eu também sugiro que é um bom plano, útil tanto para o professor quanto para o aluno, pedir aos nossos amigos e vizinhos para permitir que uma ou duas crianças possam trabalhar com as nossas. É provável que seja um peso para a mãe e a criança se ela tiver apenas a sua própria criança para as lições. Todos nós tendemos a esperar muito dos nossos próprios filhos, mas se pudermos ter, juntamente com o nosso, uma ou duas crianças de fora de idade semelhante, geralmente funciona como uma espécie de freio, e nos impede de pressionar demais em nossa vontade de ajudar a criança.


Devo agradecer por me permitirem falar um pouco do que penso sobre o P.U.S. Eu só consegui fazer isso lembrando a mim mesma que um dos objetivos da União é “proporcionar aos pais oportunidades de cooperação e conselho, de modo que a sabedoria e a experiência de cada um possam ser proveitosas para todos”, portanto, eu fico feliz em poder cooperar, oferecendo-lhe minha experiência, na esperança de que eu possa me beneficiar  com a sabedoria e a crítica de meus companheiros.


Notas de rodapé:


*House of Education: Casa de Educação. Estabelecidade em 1891 por Charlotte Mason, a House of Education foi uma escola de treinamento para governantas e outras pessoas que trabalhavam com educação infantil.

*P.N.E.U (Parents National Education Union): União Nacional de pais educadores

*Parents Review: Nome da revista criada para publicações da P.N.E.U

*Parents’ Union School (P.U.S): Escola da União de Pais

*Women’s Institute: Instituto de Mulheres

*V.A.D: Voluntary Aid Detachment - civís que se voluntariatam como enfermeiros durante a guerra.




Texto oiriginal publicado por Charlotte Mason Poetry

Traduzido por Bruna Castro

Revisão, time DCM


Denunciar publicação
    020

    Indicados para você