Descobrindo Charlotte Mason
Descobrindo Charlotte Mason
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários

A Filosofia Educacional de Charlotte Mason

A Filosofia Educacional de Charlotte Mason
Descobrindo Charlotte Mason
mai. 12 - 40 min de leitura
010

A Filosofia Educacional de Charlotte Mason por J.D. Rose
The Parents' Review, 1966,  pp. 83-86

 

“Quando ouvi falar de um novo reino além dos mares, a luz e a glória dele entraram em mim. Ele cresceu dentro de mim e fui engrandecido por inteiro. Eu entrei nele, vi suas mercadorias, nascentes, prados, habitantes e me tornei possuidor daquela nova sala como se tivesse sido preparada para mim de tanto que fiquei magnificado e encantado com ela".

 

Embora a poesia seja de Traherne, o espírito e a visão interior mística são de Charlotte Mason. Acreditando no poder para o bem e no desejo interior de aprender presente em cada criança, ela transformou suas ideias em uma nova Educação Liberal, onde, em vez de serem tediosos, “Os estudos servem para o deleite”. Naqueles primeiros anos, isso deve ter sido um conceito revolucionário para os anciãos do "pensamento" vitoriano estabelecido, que favoreciam um regime severamente repressivo, acreditando que "as crianças deveriam ser vistas e não ouvidas", e que tinham tão pouco interesse nas necessidades especiais das crianças e a singularidade de sua personalidade. Hoje, porém, as coisas mudaram e muitas das ideias de Charlotte Mason aparecem na Lei de Educação de 1944 e também no Relatório Newsom mais recente. Que o currículo deve ser "centrado na criança" – por favor perdoe o americanismo – e não visto simplesmente como "conhecimento a ser armazenado e fatos a serem ganhos" é algo aceito, em teoria, em todas as escolas estaduais, enquanto o valor da Literatura como meio de aprendizagem e não simplesmente como uma matéria está gradualmente ganhando espaço. O Relatório Hadow afirma que “Amor pela leitura, alegria na descoberta da beleza literária e a expansão da experiência imaginativa, estão entre os frutos mais valiosos de uma sólida educação inglesa”.

 

Charlotte Mason acreditava que nenhuma criança nasceu boa ou má, mas tinha potencial para ambos e que esse potencial é desenvolvido por seus contatos com o mundo exterior, especialmente suas relações com a Autoridade. Quer seja na pessoa do professor ou dos pais, o efeito sobre a criança pode durar toda a vida – Charlotte Mason escreve “Os princípios da Autoridade por um lado e da Docilidade por outro são naturais, necessários e fundamentais”. A sociedade está estruturada no princípio da Autoridade; do diretor da escola ao monarca reinante, cada homem é influenciado por seu contato com a Autoridade – até mesmo o eremita ou o anarquista; aquele que renuncia à Sociedade é, em última instância, responsável perante uma Autoridade dentro de si mesmo.

 

Docilidade é o traço mostrado ao aceitar Autoridade e a tarefa do professor é guiar a criança entre os dois. A docilidade pode rapidamente se tornar subserviência e o estado mais nobre de “sujeição orgulhosa” deve ser almejado. Charlotte Mason estabelece duas condições para conseguir isso; o professor primeiro deve mostrar que seu poder não é arbitrário, que ele detém autoridade, mas também está sob autoridade e, em segundo lugar, a criança deve ser livre em sua escolha de conhecimento; não deve haver coerção.

 

Os métodos de alcançar este objetivo são encorajando a concentração, investindo autoridade em vários membros da classe e apelando para o sentido inato da Literatura presente em todas as crianças. "O professor que permite a seus alunos a liberdade na 'idade dos livros' tem a liberdade de ser o guia filósofo e amigo deles e não é mais apenas o instrumento de alimentação intelectual forçada".

 

Charlotte Mason acreditava que a criança não precisa ser instruída, mas deve ser dirigida e que "as crianças, não o professor, são as pessoas responsáveis; eles fazem o trabalho por esforço próprio". Eles têm uma verdadeira sede de conhecimento e, se estimulados, isso não só ajuda seus esforços na escola, mas se torna seu ajudante contínuo em “todos os interesses, deveres e alegrias da vida”.

 

Uma das bases do ensino de Charlotte Mason está em seu próprio amor pelas crianças. Junto com isso está seu respeito por cada criança individualmente. Cada personalidade individualmente sagrada e nenhuma "… pode ser invadida seja pelo uso direto de medo ou amor, sugestão ou influência, ou por subversão de um desejo natural". Ela continua a dizer com, pelo menos na minha mente, uma visão quase profética dos métodos de ensino de hoje, que “as pessoas são muito dispostas a usar crianças como contadores em um jogo, para serem movidas de um lado para outro de acordo com o capricho do momento”. Ela via o problema não tanto em termos de método de ensino, mas na necessidade de um “conceito mais adequada sobre as crianças – crianças meramente como seres humanos, brilhantes ou lentos, precoces ou atrasados”. Ela viu a extrema sensibilidade da criança e os perigos reais da Autoridade; também seu efeito sobre a criança nos anos seguintes. "O medo não é mais a base reconhecida da disciplina escolar; temos métodos mais sutis do que os meros terrores da lei. O amor é um deles". As crianças são atraídas para o professor que tem uma personalidade atraente e muitas vezes se tornam dóceis ao ponto em que a personalidade fica submersa e se tornam dependentes desse professor. Bom passa a ser o que agrada ao professor e "errado" o que o desagrada, e é para isso que o aluno trabalha duro ou se comporta bem. No entanto, ao mesmo tempo, a criança está se tornando dependente, seu caráter é prejudicado e ela se torna “um parasita que só pode ir enquanto é carregado, a presa fácil de fanáticos ou demagogos”.

 

Outro poder aberto ao abuso é o poder da sugestão. Isso tende a funcionar de forma mais sutil e o professor que entende os motivos da criança carrega uma responsabilidade maior do que ele costuma perceber. É difícil para uma criança desenvolver uma perspectiva estável quando suas emoções estão sob um constante bombardeio de sugestões e contra sugestões. "É um instrumento fácil de manusear e uma sugestão desmedida brinca na mente de uma criança como o vento em um cata-vento" escreve Charlotte Mason, "deve ser usado apenas como um cirurgião usa um anestésico". 

 

Também há perigo no poder de influência usado pelo professor. Isso pode ser "uma atmosfera procedente do professor e envolvendo o ensinado" e o resultado pode ser uma forma de idolatria ou pelo menos indiferença na criança para que sua iniciativa morra e "Ela vá ao mundo como uma planta parasita, agarrando-se sempre para o apoio de alguém com personalidade mais forte". 

 

Semelhante ao poder da sugestão é o poder de usar ou abusar daqueles “desejos cuja própria função parece ser trazer nutrição para a mente”. Um deles é o desejo de aprovação que o bebê demonstra em seu choro por atenção. Mais tarde, isso pode ser usado para encorajar o trabalho e o estabelecimento de bons hábitos, mas o perigo está na vaidade que atende a essa necessidade de aprovação; o desejo de aprovação em si mesmo, seja a aprovação pelo que tem valor seja pelo que não tem.

 

Uma forma especial de emulação considerada perigosa por Charlotte Mason é o “sistema de notas, prêmios e lugar pelo qual muitas escolas são praticamente governadas”. O desejo de conhecimento é esmagado, a alma é forçada a uma espécie de camisa de força acadêmica e o único desejo é tirar as notas máximas.

 

Além da pressão desordenada sobre os alunos para superar seus colegas e passar nos exames, muitas vezes há aulas deliberadas de alunos para certas bolsas de estudo. "Este culto deliberado da ganancia é perigoso" escreve Charlotte Mason "Pois não há dúvida de que aqui e ali nos deparamos com o empobrecimento da personalidade devido à vida intelectual enfraquecida". Se devemos usar o desejo natural para a aquisição, então certamente o objetivo mais elevado e o propósito mais nobre deve ser a aquisição de conhecimento por si só.

 

Uma outra armadilha para a personalidade em crescimento evitar é o desejo de poder. Em minha própria experiência na indústria antes de entrar no ensino, vi o desejo de poder distorcer completamente o caráter de uma pessoa. Pode se tornar um fator muito compulsivo, especialmente quando aliado ao dinheiro. Acho que Pope escreveu como “A riqueza se acumula e os homens se deterioram” e a abordagem da própria Charlotte Mason a esse desejo mais insidioso era extremamente realista; ela escreveu “O poder é bom na medida em que dá oportunidades para servir; mas é perigoso para o menino ou o homem quando o prazer de governar ou administrar se torna uma fonte definitiva de ação ‘. Nas escolas, ela escreveu “Nenhum menino deve ficar fraco para fazer outro grande” e se a criança for ambiciosa, que ela seja ambicioso na gestão do conhecimento, em vez da gestão de outros alunos, pois ao gerir conhecimento ele não interfere na personalidade de ninguém.

 

O perigo final é o desejo de sociedade. Charlotte Mason escreve sobre o quanto depende da companhia que se mantém e que uma criança que ama o conhecimento por si só geralmente escolherá amigos com vocações semelhantes.

Se a sacralidade da personalidade deve ser mantida, há apenas três instrumentos educacionais legítimos à disposição do professor. ‘A atmosfera do ambiente, a disciplina do hábito e a apresentação de ideias vivas’. Assim, o lema da P.N.E.U. é ‘Educação é uma atmosfera, uma disciplina, uma vida’.

 

 

 

Na criação da atmosfera certa, nenhum elemento deliberadamente artificial deve ser induzido, o aluno não deve ser isolado em um chamado “ambiente infantil” e não deve haver nenhuma “perfumaria ou facilitação do conteúdo” – as crianças devem aprender a enfrentar vida como ela é.       

 

Nas escolas, o perigo reside no professor, que pode ser excessivamente condescendente, criando fraqueza intelectual e suavidade moral na criança. Charlotte Mason observou como uma atmosfera estimulante era imediatamente perceptível em algumas escolas e considerou que uma ‘atmosfera que estimule a verdade e a sinceridade deve ser percebida em todas as escolas’.

 

Por outro lado, não deve haver relaxamento na atmosfera. Como no lar, onde os pais têm autoridade e os filhos obedecem, também na escola, onde os professores representam a autoridade. Nem os fortes devem ser autorizados a colocar seus fardos sobre os fracos, nem o professor deve esperar o poder de decisão da criança.

 

Na criação da atmosfera certa, Charlotte Mason considera que existem duas possibilidades: ou ‘criar a todo custo as condições modificadas uma atmosfera de estufa, perfumada, mas enfraquecedora, na qual as crianças crescem rapidamente, mas são fracas e dependentes; o outro para deixá-los abertos a todos os “ventos que sopram”, mas cuidando para que não sejam indevidamente castigadas ‘.

 

Em segundo lugar, a educação é uma disciplina – “uma disciplina de hábitos formada de forma definitiva e cuidadosa, seja mente ou corpo”. Que há necessidade de disciplina nunca é negado, mas deve ser do tipo certo e ter como objetivo formar e desenvolver os poderes latentes da personalidade. Charlotte Mason escreve ‘Não precisamos trabalhar para que as crianças aprendam suas lições, que se acreditarmos que é uma questão de que a natureza se encarregará de fazer com que as aulas sejam do tipo certo e as crianças as aprenderão com prazer’. A formação de hábitos é importante, mas estes se desenvolverão se o currículo for corretamente seguido. “Há uma maneira de conseguir isso, ou seja, as crianças devem fazer o trabalho por si mesmas.”

 

Um dos meios mais poderosos de formar os hábitos intelectuais certos é o método de narração de Charlotte Mason e repetir em voz alta o conhecimento aprendido. Existem duas recompensas resultantes disso: – Primeiro, o poder da atenção e, como escreve Charlotte Mason, “Nenhum hábito intelectual é tão valioso quanto o da atenção”. No entanto, a atenção não é o único hábito a seguir da autoeducação; ela também desenvolve hábitos de expressão adequada e pronta, de obediência, de boa vontade e de perspectiva impessoal. Finalmente, a partir do respeito próprio gerado por esta forma de educação, desenvolvem-se os hábitos físicos de limpeza e ordem.

 

Alguns dos hábitos que se desenvolvem a partir de uma educação liberal são aqueles que levam a “uma vida boa e útil, pensamento claro, gozo estético e, acima de tudo, na vida religiosa”. O espírito afeta a carne:

 

‘Nem a alma ajuda mais a carne agora, do que a carne ajuda a alma.’

 

e torna-se importante que os hábitos corretos sejam formados. ‘O hábito é para a vida o que os trilhos são para o transporte de trens’ e ‘Se deixarmos de facilitar a vida estabelecendo hábitos de pensar e agir corretamente, os hábitos de pensar e agir incorretamente se estabelecem por conta própria.’ Não podemos ignorar esta força vital, como escreve Charlotte Mason, ‘O hábito é como o fogo, um mau mestre, mas um servo indispensável’.

 

Na formação de hábitos há sempre um elemento de conflito e é aqui que a disciplina entra em vigor. É a pura força de vontade que cria os hábitos certos “Semeie um ato e colha um hábito, semeie um hábito e colha um caráter”. Na sala de aula a ‘semeadura’ deve ser ‘rara e casual’ para evitar que a criança reaja contra a atitude do professor, e um dos métodos mais eficazes é ler ‘pensamentos sábios de grandes mentes’, pois isso planta o desejo inconsciente de emular. Eventualmente, a auto conquista deve se tornar um “impulso cavalheiresco ao qual a criança não pode resistir”.

 

Finalmente, o terceiro ponto ou instrumento de educação é que se trata de uma “vida”. Para Charlotte Mason, a vida não era auto-existente assim como não é auto suficiente, ‘ela requer sustento, regular, ordenado e adequado’. Como o corpo, a mente requer alimento e o alimento da mente não é tanto informação mas ideias. Sem uma dieta de ideias, deterioramos mentalmente da mesma forma que sem comida deterioramos fisicamente e, no entanto, para citar Charlotte Mason, ‘há apenas uma esfera em que a ideia de conceber novas ideias está curiosamente ausente, e esta é esfera da educação ‘.

 

O oferecimento de ideias para crianças é igualmente importante. As ideias não devem ser oferecidas com um propósito definido ou em horários determinados, mas como parte da atmosfera da criança “respiradas como seu sopro de vida”. Coleridge percebeu que “a partir da primeira ideia ou da ideia inicial, ideias sucessivas germinam assim como a flor de uma semente, “.

 

Os objetivos tradicionais da Educação são, no seu funcionamento principal, a saber, “uma retirada contínua (de informação?) sem um ato correspondente de inserção”. Mesmo hoje, com a tão anunciada “abordagem criativa”, as coisas mudaram muito pouco. Charlotte Mason faz uma observação extremamente penetrante sobre a redenção de ideias e poderes seletivos da criança: “À medida que uma criança cresce, devemos perceber que apenas as ideias que alimentaram sua vida são mantidas em seu ser; todo o resto é jogado fora ou é, como a serragem no sistema, um impedimento e uma lesão ‘.

 

Um perigo que o professor enfrenta em sua “semeadura” de ideias é o de oferecer opiniões em seu lugar. Embora as opiniões geralmente sejam formadas a partir de ideias, o ato real de cristalização pode destruir qualquer vitalidade que eles possam ter tido.

 

Mesmo no campo da ciência, há espaço para o encaminhamento de ideias – “Verdade científica”, escreveu Descartes “são as batalhas vencidas”. Mesmo a Aritmética e a Geometria podem se tornar interessantes se a criança puder se sentir enfrentando os mesmos problemas que, digamos, Pitágoras, Platão ou Euclides, enquanto História, Inglês e Arte oferecem imenso espaço para a mente questionadora. Na verdade, como escreve Charlotte Mason, ‘A mente se alimenta de ideias e, portanto, as crianças devem ter um currículo generoso’.

 

Oposto ao princípio Herbartiano com sua ênfase no método do professor individual e onde a mente da criança se torna um ‘saco para manter ideias’, Charlotte Mason acreditava em um ‘organismo espiritual’ com um apetite por todo o conhecimento como uma definição mais adequada da mente da criança.

 

A forma mais vitalizadora de sustento mental pode ser encontrada, escreve Charlotte Mason no mundo dos livros. Com livros de alto padrão literário, a mente da criança naturalmente faz “a classificação, organização, seleção, rejeição e classificação”, quase da mesma maneira que se constrói um quebra-cabeça. A recompensa, porém, é muito maior, pois como Platão tantas vezes afirmou “Conhecimento é virtude”

 

Para ajudar as crianças a alcançar o máximo das suas capacidades, elas precisam de dois guias para uma autogestão moral e intelectual, que podemos chamar de "Caminho da Vontade" e "Caminho da Razão". A função da Vontade é escolher e decidir e desde cedo as crianças devem ser ensinadas a distinguir entre 'eu quero' e 'eu tenho vontade' para que mais tarde na vida desenvolvam um caráter decisivo e não fiquem à mercê dos estilos, modismos e convenções que o mundo decreta. ‘Caráter é um metal forjado cuidadosamente para adquirir forma e beleza através da ação repetida e habitual da vontade’. Há uma distinção clara entre a conduta que tantas vezes é o objetivo da educação e o caráter. "A conduta pode ser alcançada, como vimos, por rotas indiretas, mas ela tem valor para o mundo apenas quando tem sua origem no caráter."

 

O ato involuntário, geralmente um hábito, pode ser um ato de Vontade, mas para ter certeza de que o que fazemos é certo é necessário tomar uma decisão consciente e com cada escolha que fazemos, crescemos em caráter.

 

A maioria das pessoas, escreve Charlotte Mason, tem a tendência de seguir o caminho da sugestão em sala de aula, mas existe o perigo de que, ao aceitar primeiro as sugestões dos outros, passemos a depender deles e, como Charlotte Mason percebeu, 'as criaturas parasitas que vivem nos hábitos, princípios e opiniões de outras pessoas podem facilmente se tornar criminosos ”.

 

A Vontade própria é a salvaguarda do homem contra a intrusão ilegal de outras pessoas - o poder de escolha é estimulado pelas ideias presentes na boa literatura e pelos exemplos de personagens famosos (e também infames) da História. Todo o potencial de sua vontade deve ser mostrado à criança no início de sua vida. “Assim como reinar é função do Rei, o agir por vontade é função da criança.” A criança deve estar atenta às tentações provenientes da concupiscência dos olhos, da carne e da soberba da vida e, talvez de forma ainda mais importante, que é preciso primeiro entender para agir por vontade.

 

A força de vontade é essencialmente um poder de escolha e, em uma esfera intelectual, isso se torna crucial, pois todas as nossas vidas são o resultado direto dessas escolhas. Todas as ações, todas as decisões, são basicamente julgamentos de valor e, como escreveu Charlotte Mason, ‘... a vontade é responsável por todo problema intelectual que tenha se mostrado demais para a sanidade ou para probidade moral de um homem’.

Finalmente, há uma grande diferença entre a liberdade de Vontade e o livre pensamento: é vital que a vontade, na verdade a Vontade livre, tenha um objeto alheio a si.

 

A segunda pedra angular da vasta superestrutura da mente é o poder de raciocinar. Charlotte Mason define isso como "aquilo que dá uma demonstração lógica de (a) verdade matemática e (b) ideias iniciais aceitas pela vontade". No primeiro caso, é um guia bastante sólido, mas no último, independentemente de a ideia inicial ser certa ou errada, a razão irá confirmá-la por "provas irrefutáveis". Não só a figura bíblica de Caim ou a figura literária de Macbeth, ambas no espectro de experiência das crianças, sofreram pelo uso indevido da razão, mas também na vida cotidiana, pode-se mostrar à criança como cada ato criminoso pode ser justificado de acordo com a razão do criminoso. Em primeiro lugar, então, é a premissa de que 'tudo o que é razoável não é necessariamente correto' e uma vez que a razão só entra em funcionamento sob a ordem da vontade, o direito de escolher deve ser totalmente apreciado, pois então e só então a razão se torna a serva e não o governante. Mais uma vez, a rotina do hábito pode ser aplicada para o bem ou para o mau, pois a Razão "trabalha com o material com que está acostumada a manusear". Na Bíblia, quando a criança aprende a aplicar a razão, "os milagres não serão a substância dos momentos supremos porque toda a vida será, para ela, motivo de admiração e adoração". Charlotte Mason viu a razão como uma das grandes qualidades: "a razão firme, a vontade temperada, resistência, perspectiva, força e habilidade".

 

O uso da vontade e da razão está ligado à natureza essencial do bem e do mal da criança. O bem-estar do corpo, da mente e da alma faz parte da responsabilidade do professor porque ‘As crianças não nascem más, mas com possibilidades para o bem e para o mal’. Para Charlotte Mason, era essencial que a Educação se tornasse a ‘serva’ da religião e que, com o potencial igual para o bem e o mal em todas as crianças, ela fosse liderada pelo exemplo para o ‘bem’.

 

Os cinco sentidos também precisam ser direcionados - o olfato pode desenvolver o poder de discernir, um uso saudável da vontade ao discernir entre os cheiros do jardim, das frutas e das flores por si mesmos e não simplesmente para servir ao paladar. Hoje, com nosso tremendo problema de saúde mental, onde mais da metade dos leitos hospitalares neste país são ocupados por pacientes mentais, este aspecto da educação se torna especialmente relevante e muito pouco parece ter sido feito desde a época em que Charlotte Mason escreveu.

 

Ao dirigir as energias da criança, o professor deve ter cuidado com o poder exercido por sua própria personalidade, seja para suprimir e subjugar seus alunos, seja criando tensão nervosa indevida na turma por seus esforços para impressionar.

 

Existe o perigo de tornar a criança dependente demais da opinião do professor, pois ela pode se tornar um parasita sempre dependente de outra pessoa.

 

Junto com o crescimento do corpo está o crescimento da mente e enquanto poucos educadores negligenciam o crescimento físico, muitos permitem que a mente se torne "um libertino autorizado". Sobre os intelectualmente mutilados, Charlotte Mason escreve "História e Poesia não têm encanto para eles, o trabalho científico do dia é apenas ligeiramente interessante, para eles, seus trabalhos e as amenidades sociais que podem obter são tudo o que suas vidas têm a oferecer ". A necessidade de nutrição espiritual e intelectual é tão importante para uma criança (e para o adulto) quanto a necessidade de alimento corporal. Em geral, as escolas tendem a ignorar ou abusar dos desejos que levam a esses fins. Por exemplo, a necessidade de emulação, o desejo da criança de vir em primeiro lugar é ativamente encorajado pelas notas e pelo sistema de avaliação. Assim, o desejo de ter, a avareza, é empregado de modo que a criança mais agressiva, não necessariamente a mais capaz, tenha destaque. Mais uma vez, a criança é muitas vezes encorajada a trabalhar pela aprovação do professor e sua vaidade é encorajada. Com o tempo, esses objetivos podem se tornar objetivos gerais de vida, bem como levar a um conflito de padrões quanto ao que é aceito na escola e o que é aceito no mundo exterior. As avaliações tendem a se tornar um fim em si mesmos, onde "as crianças se esforçam para passar, mas não para saber".

 

Em vez de sufocar o amor natural da criança pela linguagem e forçá-la a trabalhar por recompensas indignas, a criança deve ver a delícia do conhecimento por si só, e isso quando cultivado deve substituir o elogio, a culpa e a punição. Não apenas na sala de aula, mas também no parquinho, o comportamento da criança deve ser observado e Charlotte Mason escreve sobre o risco de que "excesso de zelo pode exterminar os sentimentos primários de amor e justiça".

 

"As crianças não devem ser alimentadas moralmente como pombinhos, com comida pré-digerida. Eles devem escolher e comer por si próprios e o fazem a partir da conduta dos outros que ouvem ou percebem.” Além do exemplo, as disciplinas escolares da poesia, história, geografia e biologia desempenham um papel, mas as aulas diretas estão de acordo com Charlotte Mason, 'pior do que inútil'. Arte, literatura e a Bíblia são alguns dos guias sugeridos, mas as duas principais virtudes elogiadas por Charlotte Mason estão presentes em todos - 'um grito por justiça atinge mesmo a multidão mais iníqua, assim, o grito profundo de 'não é justo' chega a maioria dos professores uma vez ou outra.

 

Na Educação, há uma necessidade clara de distinguir entre direitos e deveres. Como escreve Charlotte Mason, "não é fácil aprender que temos exatamente os mesmos direitos que as outras pessoas e nada mais". A educação desempenha um papel especial aqui por que "Pensar claramente exige que saibamos, tanto em termos de conhecimento como de consideração".

 

Mesmo os pensamentos pessoais sobre outras pessoas podem ser uma questão de justiça ou injustiça e as crianças devem ser ensinadas essa verdade, "a justiça nas palavras é um dever e isso para com todas as pessoas". Tão importante quanto a justiça em palavras é a justiça em ações normalmente denominada integridade. Isso diz respeito a trabalhos mal feitos e a ausências em geral, seja na escola ou mais tarde no trabalho, junto com uma adesão interior à honestidade, especialmente quando há pouca chance de um erro ser descoberto. Finalmente, há integridade de opinião. É muito mais fácil aceitar os preconceitos do grupo do que pensar as coisas por si mesmo, mas "A pessoa que pensa suas opiniões com modéstia e cuidado" está cumprindo conscienciosamente seu dever.

 

As bases sobre as quais construímos nossas opiniões são nossos princípios "aqueles motivos de primeira importância que nos governam, nos movem em pensamento e ação" e se esses princípios devem permanecer firmes contra os elementos do cinismo e da dúvida, um antídoto é necessário. A literatura é provavelmente o mais eficaz "Cada conto adorável, poema iluminador, história instrutiva, cada desdobramento de viagem e revelação da ciência existe para as crianças". O mundo é deles: ‘La terre appartient a l’enfant toujours a L’enfant’ escreveu Maxim Gorky.

 

Nem "... vocabulário limitado, ambiente sórdido e ausência de fundo de vocabulário literário ou pensamento são obstáculos". Às vezes, isso se torna um incentivo, pois quanto mais faminta a criança, mais ansiosa ela fica pelo jantar e o apetite espiritual é tão exigente quanto o físico. Há um interesse especial naquilo que os atinge na forma literária, um ponto que posso confirmar por minha própria experiência. Ao ler o poema Hiawatha de Longfellow para um grupo realmente "difícil", fiquei surpreso como eles entenderam o sentido e o significado por trás do poema mesmo sem saber as palavras. Havia uma simpatia quase inata pelo poeta e um senso inconsciente de forma. Tentando a abordagem tradicional da gramática com o mesmo grupo, posso muito bem confirmar "que eles se recusam a saber o que não os alcança na forma literária".

 

Charlotte Mason tem um interesse especial no cuidado da alma, observando que o homem "tem uma necessidade urgente, incessante e irreprimível do infinito". Ela sugere que todas as abordagens devem ser feitas por meio de Cristo e que quaisquer palavras ou pensamentos nossos são pobres e insuficientes em comparação com os da Bíblia. Em particular, isso apela às sensibilidades literárias da criança muito mais do que o método padrão de abordagem "torrentes de conversa, repetição entediante, objeção e recriminação de todas as formas em que a mente pode ficar entediada e as afeições amortecidas".

 

Deve-se tomar maior cuidado na Educação para adequá-la às necessidades da criança e não a criança às necessidades da Educação. Estes não devem ser baseados em "seus usos para a sociedade, nem no padrão do mundo em que ele vive, mas em sua própria capacidade e necessidades".

Quanto ao curriculum o sentimento era que 'a criança normal tem poderes mentais que lhe permitem lidar com todo o conhecimento que lhe é apropriado, dê-lhe um currículo completo e generoso, cuidando apenas para que todo o conhecimento que lhe é oferecido seja vital, ou seja, que os fatos não são apresentados sem suas ideias informativas”.

 

A educação mudou desde a época em que Charlotte Mason escreveu, mas muitas de suas queixas ainda parecem existir. O sistema estadual de ensino médio, embora talvez tenha algum "princípio inerente" agora, ainda está em um estado de experimento com padrões e currículos muito diferentes operando em escolas diferentes, mas a abordagem geral é tão utilitária quanto quando Charlotte Mason escreveu. Como na época de Voltaire, ainda parece verdade "A raça humana perdeu seus títulos de propriedade" e a estreiteza dos currículos escolares ainda parece longe da necessidade básica da criança prevista por Shelley, aquela "compreensão que cresce brilhante contemplando muitas verdades".

 

Talvez essa "estreiteza" resida em nosso fracasso em permitir a poderosa força da imaginação em cada criança. "A incrível imaginação vivificante da criança é parte integrante de seu intelecto" e ignorar ou destruir isso é um ato criminoso, enquanto desenvolvê-lo é um ato de criação. A astronomia pode se tornar uma fantasia de 'luz e calor', o comportamento de um átomo ou íon pode ser um conto de fadas - não que se sugira algo semelhante a isso, e no desfile da história a criança assiste seu próprio filme em uma cavalgada cenas e personalidades alternadas. A literatura é talvez o assunto mais imaginativo, "um reino muito rico e glorioso uma vez que", como escreve Charlotte Mason, "a criança já tem uma compreensão inata das palavras".

 

Um perigo muito real na lição é o uso do questionário, o teste. Com sua falta de necessidade de reflexão, isso produz "nenhum interesse inteligente, nada além da aptidão ao jogo da vida urbana". Assim como a Razão pode ser a serva de um homem ou seu mestre, a Imaginação pode se tornar "um templo de autoglorificação, um personagem de horrores ou uma Bela Casa".

 

 

A educação é "uma ciência das relações", de modo que nenhum assunto ou experiência está sozinho. ‘Exercícios físicos, conhecimento da natureza, artesanato, ciência ou arte’ são todos parte do padrão e devem ser ensinados à criança valores em vez de fatos - ‘Aquelas afinidades primitivas, que se adaptam à nossa nova existência às coisas existentes’. Três pontos seguem esse objetivo. Primeiro, a criança "requer muito conhecimento, pois a mente precisa ter o suficiente, assim como o corpo". Este conhecimento "deve ser variado, pois a mesmice na dieta mental não cria apetite (ou seja, curiosidade)". Finalmente, "o conhecimento deve ser comunicado em uma linguagem bem escolhida", uma vez que a atenção da criança "responde naturalmente ao que é transmitido na forma literária". Assim, o currículo sugerido por Charlotte Mason oferece a cada criança, em cada disciplina, a alimentação mais variada possível na forma mais facilmente assimilável.

 

 Existem três tipos de conhecimento mencionados - o conhecimento de Deus, do homem e do universo - mas o conhecimento de Deus está em primeiro lugar. É melhor discutir isso com as crianças de uma forma madura, uma vez que esta é uma daquelas "afinidades inerentes" que cabe ao professor desenvolver. As crianças devem ser encorajadas a ‘narrar’ o que aprenderam; enquanto sua compreensão literária inata será desenhada pelo "bom inglês, dicção poética e declaração lúcida da Bíblia". Dois aspectos da religião são definidos, em primeiro lugar "a atitude da vontade para com Deus que entendemos pelo Cristianismo e aquela percepção de Deus que vem de uma compreensão gradual e lenta do relacionamento divino com os homens". O primeiro é uma ação positiva, o segundo uma consciência gradual.

 

No estudo do homem, a história desempenha um papel especial ao vincular a sabedoria do passado aos problemas de hoje. Montaigne viu como o homem pode, com a ajuda da história, "informar-se sobre as mentes mais valiosas que viveram nas melhores eras".

A história busca informar e com essa informação desenvolve-se um patriotismo racional e bem pensado, em vez do viés emocional do chauvinista. Ignorando toda a conversa discursiva, Charlotte Mason sugere uma concentração em dois aspectos: conhecimento e "uma grande simpatia pelo interesse despertado por esse conhecimento". Apenas uma única leitura é necessária, então a criança deve relatar o que aprendeu. Nenhuma releitura deve ser permitida e o professor deve ser solidário, mas estar atento ao objetivo principal da lição.

 

Auxiliar à História e à Literatura está o tema da Cidadania. Isso deve ser ensinado tanto para inspiração quanto para conhecimento e como ponto de partida as "Vidas" de Plutarco são sugeridas. Isso pode ser desenvolvido para mostrar os equivalentes do século XX e a questão do certo e do errado levantada tanto em relação ao Estado quanto ao indivíduo.

A composição é ensinada em primeiro lugar como uma matéria oral e mais tarde, quando escrita, a matéria pode ser variada pelo uso de versos. "Muitas crianças escrevem versos, bem como prosa e a concisão e o poder de trazer seu assunto a um ponto, que esta forma de composição requer, proporciona um treinamento mental valioso." Em assuntos escritos, as crianças devem ser encorajadas a escrever sobre o que lhes interessa profundamente. Essa visão particular de Charlotte Mason encontra eco tanto no Newsom quanto nos relatórios originais de Spens e agora parece uma prática aceita. Considerando os séculos de trabalho forçado nas salas de aula, a miséria das escolas do Conselho e o "sistema de pagamento por resultados", parece incrível que tenhamos demorado tanto para perceber que as crianças aprendem melhor quando estão interessadas.

 

A abordagem da arte proposta por Charlotte Mason é em termos de espírito, mas as bases para o esforço criativo devem ser formadas "linha por linha, grupo por grupo, lendo, não livros, mas as próprias imagens". Não há tentativa de incutir uma técnica de pintura, mas um crescimento gradual do poder das crianças de apreciar, uma abertura dos olhos para que, como escreveu Browning, amemos:

 

"Primeiro, quando os vemos pintados, coisas pelas quais passamos

Talvez cem vezes nem se importasse em ver. '

Na abordagem da ciência, Charlotte Mason segue as idéias de Huxley, acreditando que isso deveria ser uma "informação comum", mas que seu ensino deveria seguir o modelo francês de tratamento em uma forma literária. Os princípios universais estão ligados a incidentes comuns da vida cotidiana. O único método sólido de ensino de ciências é proporcionar uma combinação adequada de trabalho de campo e de laboratório com comentários literários e amplificações conforme o assunto 'permite'. Charlotte Mason conclui ‘estamos ansiosos para não fazer da ciência um assunto utilitário’.

 

Na matemática, as crianças devem conhecer a misteriosa lei natural que está por trás do assunto. A agilidade mental também pode se tornar um objetivo, embora haja o perigo de demasiada ginástica mental na educação "a mente como o corpo é revigorada por períodos regulares de exercício intenso".

 

As conclusões alcançadas por Charlotte Mason são claras e concisas e é esse senso feminino de "o prático", essa capacidade de aplicar seu conhecimento que é seu dom especial. A história da educação está repleta de ideais elevados. Desde o bem-intencionado Comenius e o pouco prático Rousseau até os filósofos do New Statesman dos anos 1960, o abismo entre os pensadores e os executores ainda permanece grande como sempre foi. Em poucas outras esferas além da Educação, tanto foi oferecido e tão pouco aplicado: o mundo exterior pode ter avançado do estágio do arco e flecha para o da bomba de hidrogênio, mas a sala de aula mudou pouco e se pudermos julgar pelas imagens-estudo tão bem elaboradas pelos gregos em vasos e louça, os professores mudaram ainda menos! Por que isso é assim permanece um mistério, mas talvez os ideais aplicados de Charlotte Mason e o óbvio sucesso de seu sistema possam ajudar a mudar isso; Espero que sim. Milton, em sua afirmação de que a magnanimidade era o resultado adequado da Educação, teria concordado que 'o lento e imperceptível aprofundamento de ideais elevados é o ganho que uma boa escola deve oferecer para que, em vez de criar monotonia, “os estudos servem para o deleite”'. Que ‘... as asas da alma do homem batem com impaciência contra as barras de sua ignorância’. Com este espírito de otimismo, gostaria de concluir com o restante da peça de Traherne expressando a pura maravilha e deleite que é a infância: 'as ruas eram minhas, as pessoas eram minhas, suas roupas e ouro e prata eram meus tanto quanto seus olhos cintilantes, pele clara e rostos avermelhados. Os céus eram meus e também o sol, a lua e as estrelas, e todo o mundo era meu e eu o único espectador e desfrutador dele '. Além de ensinar, vamos aprender com as crianças, porque "ninguém conhece as coisas do homem, exceto o espírito do homem que está nele".

 


Texto oiriginal publicado por Chalrotte Mason Poetry

Traduzido por Erick Benke, Envision Pro Academy

 


Denunciar publicação
    010

    Indicados para você